quinta-feira, agosto 14, 2008

O MELHOR

O MELHOR

Quando menos esperas, és visitado por factores atordoantes, que te deixam sem saber que atitude tomar.

Sem aviso prévio, deparas com situações aflitivas que te inquietam, oferecendo-te frustração, face às condições de que se revestem.

De maneira agressiva, chega-te a dor do próximo, pedindo-te arrimo, e, colhido pela rude solicitação, vês-te em clima de dificuldade para equacionar o problema.

O aturdimento das pessoas alcança-te, violento, apresentando solicitações gritantes, agredindo-te, e constatas as dificuldades socorristas mediante as quais poderias auxiliar com acerto.

A vasta cópia dos atormentados espera apoio nas suas alucinações e busca-te, inquietando-te, por te deparares, sem os meios ideais para o ministério do socorro.

Em tais como em outras circunstâncias equivalentes indagas: Como agir? Como fazer o melhor?

Subitamente identificas cansaço n’alma, amargura, inquietação.

Levanta, porém, o ânimo e revitaliza o moral.

A consciência que desperta para o bem, mais sofre o espicaçar das aflições e incertezas, quando, diante de actos cruéis, surpreendentes, ou de situações muito complexas, ao considerar o que poderia fazer e como accionou a máquina da atitude correcta.

É natural, portanto, que o teu repouso seja menos fácil e a tua quietude, por momentos, improvável.

Os que se sentem muito tranquilos, na Terra, quiçá estejam intoxicados pelos vapores da indiferença.

Convidado, intempestivamente, a ajudar, a tomar uma atitude em relação a alguém, a assumir uma posição, não te deixes impregnar pelos fluidos e vibrações de quem te busca. Recolhe-te à oração silenciosa, e indaga ao coração o que gostarias de receber, caso fosses o necessitado.

Certamente, terás a resposta de como seria o procedimento ideal.

Todavia, se não for possível realizar a acção ideal, não cruzes os braços, lamentando impossibilidades.

Faz de maneira mais correcta ao teu alcance, envolvendo em simpatia aquele que se socorre de ti, permanecendo de consciência harmonizada.

Enfrentarás sempre ocorrências difíceis, com as quais, desde logo, deves acostumar-te.

Olhando a imensurável quantidade de aflitos e a precariedade dos teus recursos, não te sintas incapaz de auxiliar, descoroçoando-te.

Uma semente, resguardada no bojo da terra, pode ser a responsável futura por toda uma área verdejante e rica de dádivas.

Importante é o que faças e como faças, pertencendo os resultados à Vida.

A multidão que Lhe ouvira a palavra de liberdade e paz, não obstante já alimentada em espírito, padecia de fome orgânica. Solicitado ao auxílio, Jesus excogitou de tomar os cinco pães e os dois peixes que os discípulos possuíam, com os quais repletou os estômagos necessitados, sem perder o entusiasmo ou modificar a atitude de amor com que antes amparara a grave necessidade espiritual de que todos padeciam.

Considera, desse modo, a sabedoria do Senhor e, sem desencorajamento, faz a parte que te cabe, com a certeza de estares a realizar o melhor.

(De: “Alerta”. Divaldo Pereira Franco, ditado pelo espírito Joanna de Ângelis)

1 comentário:

A Mónada disse...

Gostei muito deste teu post.

Quanto ao Portal 8:8:8, de facto em 2006 foi sentido por mim e não só, uma imensa energia que a evidenciei como então referi. Se vires no post de 8 de Agosto de 2006 houve mais intuitivos que o sentiram e lhe chamaram de portal 8:8:8.

Agora como o de dia 8 de Agosto de 2008 e seguintes ainda não tinha sentido nenhum. De facto foi muito mais intenso e houve uma grande convergência pelo Planeta inteiro como descrevi com posts quase diários na NAVE.

Obg por teres visitado a NAVE AZUL. Volta sempre que quiseres para viajares connosco. Eu voltarei aqui mais vezes.

Fica bem

Amado irmão de LUZ.