segunda-feira, dezembro 29, 2008

SIMEÃO E O MENINO

Simeão e o Menino

Livro: Antologia Mediúnica do Natal
Irmão X & Francisco Cândido Xavier

Dizem que Simeão, o velho Simeão, homem justo e temente a Deus, mencionado no Evangelho de Lucas, após saudar Jesus criança no templo de Jerusalém, conservou-o nos braços acolhedores de velho, à distância de José e Maria, e dirigiu-lhe a palavra, com discreta emoção:

- Celeste Menino - perguntou o patriarca -, porque preferiste a palha humilde da Manjedoura? Já que vens representar os interesses do Eterno Senhor da Terra, como não vestiste a púrpura imperial? Como não nasceste ao lado de Augusto, o divino, para defender o flagelado povo de Israel? Longe dos senhores romanos, como advogarás a causa dos humildes e dos justos? Porque não vieste ao pé daqueles que vestem a toga de magistrados? Então, poderias ombrear com os patrícios ilustres, movimentar-te-ias entre legionários e tribunos, gladiadores e pretorianos, atendendo-nos à libertação... Porque não chegaste, como Moisés, valendo-se do prestígio da casa do faraó? Quem te preparará, Embaixador eterno, para o ministério santo? Que será de ti, sem lugar no Sinédrio? Samuel mobilizou a força contra os filisteus, preservando-nos a superioridade; Saul guerreou até à morte, por manter-nos a dominação; David estimava o fausto do poder; Salomão, prestigiado por casamento de significação política, viveu para administrar os bens enormes que lhe cabiam no mundo...

Mas... tu? Não te ligaste aos príncipes, nem aos juízes, nem aos sacerdotes... Não encontrarias outro lugar, além do estábulo singelo?!...

Jesus menino escutou-o, mostrou-lhe sublime sorriso, mas o ancião, tomado de angústia, contemplou-o, mais detidamente, e continuou:

- Onde representarás os interesses do Supremo Senhor? Sentar-te-ás entre os poderosos? Escreverás novos livros da sabedoria? Improvisarás discursos que obscureçam os grandes oradores de Antenas e Roma? Amontoarás dinheiro suficiente para redimir os que sofrem? Erguerás novo templo de pedra, onde o rico e o pobre aprendam a ser filhos de Deus? Ordenarás a execução da lei, decretando medidas que obriguem a transformação imediata de Israel?

Depois de longo intervalo, indagou em lágrimas:

- Diz-me, ó divina Criança, onde representarás os interesses de nosso Supremo Pai?

O menino tenro ergueu, então, a pequenina destra e bateu, muitas vezes, naquele peito envelhecido que se inclinava já para o sepulcro...

Nesse instante, aproximou-se Maria e recolheu-o nos braços maternos. Somente após a morte do corpo, Simeão veio a saber que o Menino Celeste não o deixara sem resposta.

O Infante Sublime, no gesto silencioso, quisera dizer que não vinha representar os interesses do Céu nas organizações respeitáveis mas efémeras da Terra. Vinha da Casa do Pai justamente para O representar no coração dos homens.

domingo, dezembro 28, 2008

ADVOGADO DA CRUZ

Advogado da Cruz

Livro: Antologia Mediúnica do Natal
Emmanuel & Francisco Cândido Xavier

No mundo antigo, o apelo à Justiça significava a punição com a morte. As dívidas pequeninas representavam cativeiro absoluto. Os vencidos eram atirados nos vales imundos. Arrastavam-se os delinquentes nos cárceres sem esperança. As dádivas agradáveis aos deuses partiam das mãos ricas e poderosas. Os tiranos cobriam-se de flores, enquanto os miseráveis se trajavam de espinhos.

Mas, um dia, chegou ao mundo o Sublime Advogado dos oprimidos.

Não havia, na Terra, lugar para Ele. Resignou-se a alcançar a porta dos homens, através de uma estrebaria singela.

Em breve, porém, restaurava o templo da fé viva, na igreja universal dos corações amantes do bem. Deu vista aos cegos. Curou leprosos e paralíticos. Dignificou o trabalho edificante, exaltou o esforço dos humildes, quebrou as algemas da ignorância, instituiu a fraternidade e o perdão.

Processaram-no, todavia, os homens perversos, à conta de herético, feiticeiro e ladrão.

Depois do insulto, da ironia, da pedrada, conduziram-no ao madeiro destinado aos criminosos comuns.

Ele, que ensinara a Justiça, não se justificou; que salvara muitos, não se salvou da crucificação; que sabia a verdade, calou-se para não ferir os próprios verdugos.

Desde esse dia, contudo, o Sublime Advogado transformou-se no Advogado da Cruz e, desde o supremo sacrifício, a Sua voz tornou-se mais alta para os corações humanos. ele, que falava na Palestina, começou a ser ouvido no mundo inteiro; que apenas conversava como o povo de Israel, passou a entender-se com as várias nações do Globo; que somente se dirigia aos homens de pequeno país, passou a orientar os missionários rectos de todos os serviços edificantes da Humanidade.

Que importam, pois, nos domínios da Fé, as perseguições da maldade e os ataques da ignorância? O advogado da Cruz continua a operar em silêncio e falará, em todos os acontecimentos da Terra, aos que possuam "ouvidos de ouvir".

terça-feira, dezembro 23, 2008

ANTE O NATAL...

Ante o Natal, Jesus, ao relembrar-te
A Manjedoura anónima e singela,
Sentimos novamente a luz que te revela
No brilho da esperança, em toda parte.

Recebemos de Ti as bênçãos e os troféus
Do progresso na Terra, em altas directrizes,
Fizeste-nos mais fortes e felizes
Dos recessos do lar ao voo em plenos Céus...

Perdoa-nos, porém, se hoje te trazemos
Os conflitos cruéis que existem mesmo em nós;
Somos cristãos, falando em nossa própria voz,
E, no instante de agir, não nos reconhecemos.

Andavas de pés nus, pregando a fé e o bem,
Suportando sem queixa os calhaus e os espinhos
E seguimos de carro, em todos os caminhos...
Raros falam de Ti, sem perguntar a quem!...

No entanto, os corações fiéis aos teus ensinos
Continuam formando a extensa caravana
Dos que estendem socorro e luz à vida humana,
Renovando nações e elevando destinos.

Coração palpitando, a buscar-te, onde estejas,
Voltamos a cantar: "Glória a Deus nas Alturas"
E paz em toda a Terra a todas as criaturas!...
Sê bendito, Jesus!... Louvado Sejas.

***
Fonte: Reunião Pública em 27.09.1986
Maria Dolores & Francisco Cândido Xavier

MENSAGEM NATALINA DE JESUS, O CRISTO!

MENSAGEM NATALINA DE JESUS, O CRISTO!

Uma lei divina diz: Ama toda a vida! Esta lei existe em todo o Universo e é válida para sempre. Para a realizar, todo o ser vivo deve evoluir a ponto de sentir o verdadeiro Amor em si e reconhecer o que é realmente o Amor. O puro claro sentimento do Amor não está activo automaticamente na pessoa, pois precisa de um lento reconhecimento e desenvolvimento a partir do amor próprio, através do amor ao parceiro e aos pais, até ao Amor impessoal a todas as pessoas e, afinal, a toda a vida.

Este abrangente, transbordante sentimento não reside mais nos Mundos inferiores, aos quais pertencem os vossos corpos do sentimento. Ele vibra num plano muito superior e é necessária a vossa própria força de reconhecimento para despertar em vós esse sentimento impessoal. Quando uma pessoa consegue retrair-se completamente e colocar o bem do todo em primeiro lugar, o puro amor impessoal nasce nela, tornando-a inatacável para forças inferiores. A este objectivo destina-se o trabalho no Caminho do Aluno, que vós, amigos, iniciastes. Esforçai-vos, pois, para irradiar o forte Amor impessoal a toda a vida. Tende consciência da elevação da vibração desenvolvida desta maneira, que vos envolve e protege. Quando o puro Amor tiver tomado conta de vós, jamais podereis ser infelizes, a vossa natureza interior conservará para sempre este sentimento animador.

Gostaríamos de esclarecer que o puro Amor nada tem a ver com sentimentalismo, é uma felicidade dominadora, proveniente do mais profundo interior, que não pode ser comparado a nenhum sentimento terreno. É esta vivência tão exigente, e, no entanto, tão singela, que vos queremos transmitir através destas palavras. Elas deverão estimular-vos a mergulhar no vosso interior e sentir o que podereis fazer para desenvolver a Força do Amor, deixando-vos inundar por ela.

Pensai nos vossos Amigos da Luz, que, se quiserdes, ao vosso apelo, farão convosco um exercício, para vos aproximar desta forte e bela vibração. Senti, também, a nossa proximidade, profundo Amor e afecto.

Boletim Ponte Para Luz

Vivendo...

O que tem de ser feito tem de ser feito.

Aquilo por que tens de passar, tens de passar.

Cada coisa surge na tua vida numa determinada altura para ser vivida.

Não fujas. Vive o que tens a viver, aprende com a experiência, e, só então, parte para outra.

Não deixes de aproveitar esta oportunidade para viver esta situação até ao fim, até ao limite. Esta situação é agora a tua grande professora. É aqui que vais aprender, é aqui que vais evoluir.

E quando a tormenta tiver passado, quando o que houver para aprender tiver sido aprendido, olha para o céu e poderás ver mais uma estrela que foi lá colocada em tua homenagem. E eu seguirei contigo, protegendo-te, para onde quer que vás.

Jesus

Amando...

Faz o que for preciso para que no teu peito o meu amor vença.

Faz os possíveis por retirar a densidade, as memórias, as emoções negativas e destruidoras.

Cuida para que não haja raiva, ódio, inveja ou mágoa no teu sistema emocional.

Para que o meu amor entre abençoado, para que o meu amor possa abarcar o mundo inteiro através da tua vibração.
E quando saíres à rua, quando falares com as pessoas, quando estiveres onde tens de estar no teu dia-a-dia, o amor imenso que tenho pela humanidade vai brotar de ti e invadir a terra inteira.

E vais saber que fui eu.

Vais saber que fui eu quem invadiu as ruas e as almas das pessoas.

E tudo ficará mais claro.

E tudo ficará mais limpo.

E tudo ficará com a vibração do céu, que é a única maneira que o homem tem de voltar para casa.

Jesus

domingo, dezembro 14, 2008

Nossos Entes Queridos

Nossos Entes Queridos

Livro: Rumo Certo

Emmanuel & Francisco Cândido Xavier

Um ponto importante, nas relações afectivas: a nossa atitude para com os entes amados. Habitualmente, na nossa dedicação, somos tentados a escolher caminhos que supomos devam eles trilhar.

Inclinação esta mais do que justa, porquanto muito instintivamente desejamos para os outros alegrias semelhantes às nossas.

Urge, considerar, entretanto, que Deus não dá cópias.

Dos pés à cabeça e de braço a braço, cada criatura é um mundo por si, gravitando para determinadas metas evolutivas, em órbitas diferentes.

Em face disso, cada pessoa possui necessidades originais e tem o passo marcado em ritmo diverso.

A vida, como sucede na escola, é igual para todos nos valores do tempo; no entanto, cada aprendiz da experiência humana, como ocorre no Liceu, estagia provisoriamente em determinado caminho de lições.

Aquele companheiro terá tomado corpo na Terra a fim de se casar e construir a família; outro, porém, ter-se-á incorporado no plano físico para a geração de obras espirituais com imperativos de serviço muito diferentes daqueles da procriação propriamente considerada.

Esta irmã terá nascido no mundo para a formação de filhos destinados à sustentação da vida planetária; aquela outra, todavia, terá vindo ao campo dos homens a fim de servir a causas generosas em regime de celibato.

Cada coração pulsa em faixa específica de interesses afectivos.

Cada pessoa ajusta-se a certa função, compreendendo assim, sempre que a nossa ternura se proponha traçar caminhos para os entes amados, saibamos consagrar-lhes, em silêncio, respeitoso carinho, e, se quisermos auxiliá-los, oremos por eles, rogando à Sabedoria Divina os inspire e ilumine, uma vez que só Deus sabe no íntimo de nós todos, aquilo que mais convém ao burilamento e à felicidade de cada um.

quarta-feira, dezembro 10, 2008

CONVITE À GRATIDÃO

CONVITE À GRATIDÃO

“Bendizei os que vos maldizem, orai pelos que vos insultam.” – (LUCAS: 6-28.)

Por temperamento te retrais em muitas circunstâncias, quando deverias e poderias exteriorizar os sentimentos que portas.

Supões que todos marcham guindados à alegria, tão jubilosos se manifestam, que evitas traduzir os tesouros da boa palavra e da gentileza que se vão enferrujando por desuso nos cofres do teu coração.

Recebes dádivas, fruis oportunidades, recolhes bênçãos, acumulas favores, arrolas benefícios e somente uma formal expressão já desgastada de reconhecimento te escapa dos lábios.

Justificas-te no pressuposto de que retribuíste com a necessária remuneração, nada mais podendo ou devendo fazer.

Não há, porém, moeda que recompense uma noite de assistência carinhosa à cabeceira do leito de um enfermo.

É sempre pálido o pagamento material, passado o sacrifício de quem se nos dedicou em forças e carinho.

Mas o gesto de ternura, a palavra cálida, a atenção gentil, o sorriso expressivo de afecto espontâneo são valores-gratidão que não nos cabe desconsiderar ou esquecer.

Em muitos profissionais deste ou daquele mister esfria-se a dedicação, substituída por uma cortesia estudada e sem vida, em consequência da ingratidão constante dos beneficiários das suas mãos e das suas atenções.

Acostumaram-se a ver no cliente de tal, apenas um outro a mais e se desvincularam afectivamente, por não receberem o calor humano do sentimento da gratidão.

Gratidão, como amor, é também dever que não apenas aquece quem recebe, como reconforta quem oferece.

A pétala de rosa ao espalhar perfume ignora a emoção e a alegria que propicia.

Doa a tua expressão de reconhecimento, aos que se tornaram frios e o teu amor aquecê-los-á.

Batendo-se-lhes às portas da afectividade, por gratidão, elas se abrirão para que a paz que ofereças reine em redor deles e de ti mesmo, porquanto a regra excelsa é bendizer até aqueles que nos maldizem, orando por quantos nos insultam.

(De “Convites da Vida”, de Divaldo P. Franco, pelo espírito Joanna de Ângelis)

MENSAGEM SOBRE O NOSSO "EU SOU DIVINO"

A concepção que tendes da vossa própria força divina ainda é tímida.

Esta força é forte e poderosa, não a limitem julgando-a muito inferior.

Movimentem com toda a intensidade as forças divinas existentes em vós!

A timidez não deveria ser mais uma característica de um aluno da Luz, sabedor da força divina que nele reside e que tem o poder de a expandir e canalizar para todo o mundo.

Deixem-nos também reconhecer que sois filhos de Deus, providos de todas as forças, que o vosso EU Divino também as tem.

Tudo isto está em vós e aguarda a vossa aplicação, é a força que usais quando dizeis "EU SOU".

Estas poderosas palavras contêm tudo o que a Força Divina no Universo engloba. Assim tendes a possibilidade de tudo movimentar.

Meus amigos!

Sois filhos da Fonte Divina e inteirastes-vos de tudo o que há nessa fonte, durante o caminho do mundo terreno.

Incentivai, então, muito mais do que até aqui!

Deixai-nos salientar isto ao aconselhar e incentivar-vos muito mais para a pura Luz que existe em vós.

Ainda acreditais que não podeis utilizar correctamente as puras forças. Vós podeis, meus alunos!

Quando ocorrer algo inesperado e de repente nas vossas vidas, tendes o poder de fazer algo de imediato, de movimentar a força em vós.

Não precisais ficar quietos quando acontecer algo ao vosso redor.

Tendes o poder de movimentar o vosso EU SOU.

Exercitai-o também em coisas menos espectaculares no vosso quotidiano de modo a que ganhem confiança nessa força.

Dêem preferência ao vosso EU SOU, canalizem-no para o decorrer do vosso dia.

Canalizem-no para todas as vossas actividades.

Acontecerá o que pedirdes – e tudo aquilo que fazeis em nome de vosso EU SOU Divino vingará se estiverdes totalmente concentrados.

EU SOU é a mais elevada força nas vossas vidas, está ancorada em todos os seres vivos.

Nos humanos, ela já se tornou mais liberta e podeis aplicá-la conscientemente.

Assim, exercitai nas pequenas coisas de modo a que estejais sempre preparados quando aparecer uma sombra no vosso mundo.

É isso que vos queremos recomendar e pedimos-vos que aceitem, experimentem na vossa vida, tentem prevalecer o vosso EU SOU Divino em todas as coisas se houver algo particularmente importante.

EU SOU é a vossa força divina invencível.

Estejam convencidos disto, meus alunos, e deixem-na fluir quando necessário.

Esta força actua também em coisas menores e menos importantes.

Exercitem, e, assim, a convicção do seu efeito crescerá cada vez mais.

Isto é importante para as coisas maiores que surgirão nas vossas vidas.

Confiem no vosso EU SOU Divino em tudo o que acontece.

Em amor por vós,

EL MORYA

terça-feira, dezembro 09, 2008

Diz Mestre Morya:

Diz Mestre Morya:

O Poder do Eu Sou


Todo o poder jaz na palavra criadora "EU SOU". Já reflectistes sobre tudo o que pode ser alcançado, quando esta palavra é expressada por meio da força positiva e projectada com toda a convicção?

Tende coragem, dilectos discípulos, fazei novas experiências, usando a palavra "EU SOU" naquilo que deve ser mudado na vossa vida ou na vida do vosso semelhante, para trazer tudo em ordem, dentro de uma determinação positiva. Ireis descobrir o poder destas palavras. Os discípulos têm feito pouco uso das mesmas; de contrário, as situações angustiantes, saúde precária e mal-estar já se teriam transformado em perfeição. As vossas forças internas esperam por vós para se expressarem; ponde-as em movimento, por meio da expressão criadora, unida à forte convicção do sucesso.

"EU SOU" a Luz no coração de todo o homem, a Luz que se estende sem limite, despertando nele o desejo de praticar o bem ao seu semelhante."

Estas e outras idênticas afirmações irão contribuir para a realização da tão desejada melhora da moral do discípulo e do respeito mútuo. Procurai operar com as possibilidades que vos foram dadas e libertai as vossas forças, que crescerão, aumentarão, através do uso e do treino constante. Procurai reconhecer aquilo que podeis fazer, pois, muitos, já o fizeram antes de vós.

Em outras eras, poucas pessoas conheciam as possibilidades; hoje, um número considerável está capacitado para usar os ensinamentos. Estes foram prescritos para serem usados e aplicados e não apenas para serem lidos.

Esperamos e confiamos que os discípulos pratiquem o que ficou exposto.

EU SOU, com amor, vosso Instrutor e Amigo.

El Morya.

Ensinamentos da Ponte para a Luz!

Ensinamentos da Ponte para a Luz

Foi Deus quem colocou no coração do homem o desejo de conhecer a verdade, de O conhecer, para que, conhecendo-O e Amando-O, possa chegar também à verdade plena sobre si mesmo.


"Conhecereis a Verdade e a Verdade vos Libertará." Disse o Senhor JESUS, referindo-se ao Consolador (Espiritismo), que nos havia de vir.

O que devemos conhecer? Buscando entender a filosofia de nosso corpo físico, as suas emoções, os seus pensamentos e suas motivações, a sua natureza inferior para chegarmos ao Cristo em nós.

A Verdade só pode ser revelada ao homem em espírito”.

Conhece-te a ti mesmo e conhecerás o Universo”.

Quem sou eu? - Individualidade

Onde estou? - Universidade

Para onde vou? - Unidade

Eu e o Pai Somos Um”.

Eu Sou o Caminho, o senso de direcção correcta e a força da vida para o trilhar”.

A simples iluminação do que está à frente liberta as nossas escolhas e conecta-nos com o poder da Natureza.

Com o alento da vida, o som que criou o Cosmo. Sendo o homem o próprio microcosmo, deve construir a sua vida, os seus aspectos internos e externos, bem como participar na construção do Macrocosmo.

Fonte: Escola da Ponte para a Luz – Brasília/DF – Novembro/2008

domingo, novembro 23, 2008

JARDIM DA EVOLUÇÃO

JARDIM DA EVOLUÇÃO Psicografia de Saimon Leites Selau

Amados filhos e filhas:

Sei que às vezes é muito difícil persistir, pois nem todos conseguem ao mesmo tempo, e, a humildade, não se encontra nos fracos de espírito. Deve-se ter paciência e persistência, entendimento e gratidão por tudo.

Orar e Vigiar sempre, tendo o medo apenas como escudo. Mas um ser livre não precisa de escudo, tire as amarras da preocupação, siga o seu caminho a plantar amor, a colheita será rica dependendo apenas da sua determinação.

Enquanto a flor germina, poucos vêem a sua beleza, mas depois dela estar grande e bela, todos apreciam a sua perfeição e pureza, sentem o seu cheiro e a sua importância no ambiente. Após a sua morte, todos procuram sementes, para poderem plantá-las novamente, e sentirem de novo a sua realeza.

Queridos índigos, sede flores a germinar, e, quando estiverdes prontos, espalhem pelo mundo a beleza da vossa energia, o mais belo cheiro em palavras de infinita poesia.

Queridos índigos, saibam que depois da vossa passagem, todos plantarão sementes nos seus actos, para refazer o jardim deixado no passado e, enfim, descobrirão, que as sementes sempre estiveram à espera da hora certa para germinar, no jardim de cada coração.

Sigam as vossas certezas, confiem na vossa pureza, sejam sempre uma flor a reflectir singela beleza, a enfeitar o jardim da evolução.

S. G.

PROBLEMAS...

P R O B L E M A S

Os nossos problemas nem sempre são tão grandes quanto a nossa incapacidade para os resolver...

Qualquer dificuldade agiganta-se-nos na imaginação, porque habituamo-nos a um excessiva inquietude à sua volta; sem dúvida, é forçoso criar um clima propício à solução pacífica e edificante de crises que surjam e, para isso, justamente é que necessitamos cultivar a serenidade e o entendimento.

Reflictamos nos problemas quotidianos, categorizando-os por recursos renovadores.


Toda a questão embaraçosa é-nos apresentada como se a vida nos propusesse um enigma.

Aceitemo-lo calmamente e vejamos como aproveitá-lo. Comecemos por uma atitude de compreensão e simpatia, examinando-lhes as facetas.

Se nos achamos perante uma situação desagradável, meditemos nela, não como pesar que nos afecte individualmente, mas sim como episódio com funções no benefício geral, e ajudemo-lo a encaixar-se no mecanismo das circunstâncias, em louvor da harmonia comum.

A pedra que, acidentalmente, nos fira, será, provavelmente, a peça que sustentará a segurança na construção, e, porque nos haja trazido leve dissabor, isso não é motivo para arredá-la do serviço que deve prestar à colectividade.

Assim acontece com a crítica, com a desilusão, com o desentendimento ou com a perseguição gratuita. Recebamo-los sem mágoa, observando qual é a mensagem favorável e útil de que são veículo.

Tomada semelhante posição, verificaremos que a crítica nos auxilia, à maneira do insecticida capaz de imunizar a árvore do nosso trabalho contra pragas destruidoras que talvez nos ameacem de perto; aquilo que nomeamos como sendo desilusão, passa a revelar-se por transformação imperiosa e benéfica; o desentendimento é a oportunidade que, muitas vezes, favorece a supressão de pequeninos obstáculos, antes de se formarem obstáculos maiores, e a perseguição gratuita habitualmente estabelece condições para que o apoio de nossos verdadeiros amigos se levante junto de nós, para união mais íntima e realizações mais amplas.

Nunca te amedrontes diante dos problemas que te apareçam...


Na maioria das circunstâncias, eles significam mudança, e, mudança pede adaptação à realidade para o bem de todos e mais acentuada felicidade para cada um, no nível em que cada um se coloque.

À frente de qualquer desafio, recordemos que todo o problema é um convite da vida, em nome de Deus, para podermos compreender mais amplamente, melhorar sempre, e servir mais.

EMMANUEL – Do livro "Encontro Marcado" – F. C. Xavier, edição FEB

LUZ REDENTORA

LUZ REDENTORA

Sobre a Terra de sombra e de amargura,
A treva espessa e triste se fizera...
A ciência e a fé, nas asas da quimera,
Mais se afundavam pela noite escura.

A alma humana de então se desespera.
E eis que das luzes místicas da altura
Desce outra luz, confortadora e pura
De que o mundo infeliz se achava à espera.

E Kardec recebe-a sobre o abismo,
Espalhando as lições do Espiritismo,
Em claridades de consolação.

Emissário da luz e da verdade,
Entrega ao coração da humanidade
A Doutrina de Amor e Redenção.

Casimiro Cunha
(De: “Lira Imortal”, de Francisco Cândido Xavier – Espíritos diversos)

sexta-feira, novembro 21, 2008

ERROS

ERROS

Se fez um erro, admita-o claramente.

Não fuja aos resultados.

Suporte com humildade os remoques da crítica. Não acredite que possa, de imediato, sanar a brecha em torno do seu nome.

Entretanto, não se ponha a chorar, inutilmente, porque esse não é o seu primeiro erro e nem será o último.

Levante a cabeça e recomece.

Demonstre sinceridade no reajuste.

Inicie a tarefa das boas acções, na escala que lhe seja possível, distribuindo parcelas de si, e de sua influência, a quantos possa ser útil, porque toda a vibração de agradecimento funciona por material de reparação.

Trabalhe, ajudando sempre, na certeza de que o trabalho honesto, com o tempo, dissolve toda a mágoa e apaga toda a censura.

Mas não torne a incidir no mesmo erro, porquanto quem sabe, de antemão, a falta que comete, em verdade, não se encontra na armadilha do erro e sim está a manejar, conscientemente, a armadilha do mal.

André Luiz

(De: “Ideal Espírita”, de Francisco Cândido Xavier – autores diversos)

A VERDADE SOBRE MIM

A VERDADE SOBRE MIM

Por: Patricia Diane Cota-Robles

Enquanto respiro no Amor de meu Deus Pai-Mãe, começo a compreender a Verdade sobre mim. Vim a este mundo com um propósito muito específico. Vim para realizar uma missão. Vim para Amar a Vida livremente e para compreender a Verdade sobre mim. Vim para contribuir para a salvação desta encantadora Terra.

EU SOU parte de Deus, e, a abundância de meu Deus Pai-Mãe permanece em mim. Na Mente de Deus, ninguém é desnecessário ou inexpressivo. Cada pessoa é valiosa e decisivamente importante para o equilíbrio e ordem do Universo. Sem mim, Deus não seria completo. Sem mim, o Universo perderia o seu equilíbrio.

Tudo o que EU SOU chamado a fazer, eu faço com felicidade e entusiasmo, pois nada é, igualmente, insignificante.

EU SOU agora incluído no amor do meu Deus Pai-Mãe, e jamais haverá um sentimento de futilidade na minha vida.

EU SOU a transbordar de Gratidão pela oportunidade de estar na Terra neste momento. EU SOU imensamente grato por estar bem onde EU SOU, agora, servindo a todos os que vierem ao meu caminho com amor, alegria, compreensão e perdão.

Reconhecendo o meu verdadeiro mérito, prossigo agora para cumprir a minha Missão Divina.


Com a minha Visão Interior eu vejo a Luz Amorosa e compassiva de minha Presença EU SOU, a fluir livremente através de mim.

Com a minha visão física, eu vejo a profusa abundância em todos os lugares.

EU SOU tranquilo, Poderoso e repleto de Amor Divino, pois relembro quem EU SOU.

EU SOU um Filho Amado de Deus, e TUDO o que o meu Deus Pai-Mãe tem, é meu.

E assim é.

quarta-feira, novembro 19, 2008

INCONFORMISMO E REVOLTA

INCONFORMISMO E REVOLTA

- "Não me conformo!" — Explodem, revoltados, aqueles que da vida somente esperam vantagens e recompensas, quando surpreendidos por acontecimentos que lhes parecem desastrosos e trágicos.

- "Deus é injusto!" – Proferem, estentóricos, os que se supõem credores apenas de receber dádivas, embora desassisados, da vida somente retiram lucros e comodidades.

- "Não mereço isto!" – Bradam, desatinados, quantos são colhidos pelo que denominam infortúnios e desgraças, que os desarvoram.

- "Não creio em mais nada!" – Estridulam as pessoas tomadas por insucessos desta ou daquela natureza, que afinal, se fossem examinadas com seriedade e reflexão, constituiriam ocasião iluminativa, roteiro de felicidade.

O Homem teima em permanecer anestesiado pela ilusão, sem dar conta, conscientemente, da fragilidade da organização carnal de que se encontra temporariamente revestido.

Cada um, por isso mesmo, a si concede privilégios e faculta méritos que não possui. Se examinassem melhor a vida, verificariam que as ocorrências do trivial, que atingem os outros, a eles também alcançarão, procurando preparar-se para enfrentar com dignidade quaisquer injunções ou dissabores, que são igualmente transitórios.

- "Prefiro não saber". — Informam as pessoas passadistas, quando convidadas ao exame da vida menos densa.

- "Não consigo acreditar". — Escusam-se as criaturas invitadas ao esclarecimento imortalista, como se estivessem indenes ao fenómeno da cessação da vida biológica.

- "Irei aproveitar o meu tempo, gozando". — Justificam-se os imediatistas ante qualquer referência à meditação, à caridade, ao sacrifício...

É natural que, visitados por acontecimentos não habituais no canhenho das suas conveniências, derrapem no inconformismo, no desespero, na alucinação...

A acção inexorável do tempo, entretanto, aguarda todos e modela-os, submetendo-os. Mesmo quando se pretende fugir da situação a que se vai arrojado, cai-se na realidade da vida, que predomina em toda a parte.

Recebe o insucesso como fenómeno normal nos tentames do teu processo evolutivo.

Não te consideres inatingível. Acostuma-te à fragilidade do corpo e às necessidades de crescimento como espírito que és.

Nenhuma dor te alcança sem critério superior de justiça.

Sofrimento algum no teu campo emocional, que se não acabe, deixando o resultado do seu trânsito.

Utiliza-te das ocorrências que trazem dor, para crescer, e não te apresentes inconformado.

Jesus, que veio à Terra exclusivamente para viver e ensinar o amor, sem qualquer culpa, nasceu em modesta gruta, passou pelo carreiro de inumeráveis injunções e partiu numa cruz, sob apupos e malquerenças, volvendo, no entanto, Sol Divino que é, em insuperável madrugada que dura até hoje, para que ninguém reclame, nem se revolte, nem se inconforme ante as ocorrências dolorosas do mundo...

(De "Alerta", de Divaldo P. Franco, pelo espírito Joanna de Ângelis)

segunda-feira, outubro 27, 2008

COMO SER GRATO...

COMO SER GRATO

“Quanto aquele que paga o bem com o mal, não se apartará o mal da sua casa.”
Pv. 17:13

A gratidão é uma das marcas da grandeza da Alma, que nos ilumina, quando reconhecemos o benefício sem alarde.

Revidar ofensa é colocar em perigo o nosso equilíbrio, e pagar o bem com o mal é mostrar o desajuste em que se encontram os nossos sentimentos.

A ingratidão é visgo que assegura o ambiente indesejado na tua casa.

Sente-te feliz, com o bem que alguém te deseja e esquece a ofensa que se aproxime do teu caminho.

Cultiva a serenidade, mesmo diante do teu opressor; ele, algum dia, cansará da estrada larga do mal, e certamente vai copiar o teu exemplo no bem. Então, ser-te-á dada alegria pelo que fizeste para a paz do teu companheiro.

É bom que descubras os variados meios de ser reconhecido, porque essa ciência é divina, no divino esforço der quem quer melhorar.

Aparta o mal da tua casa, pelo bem que deves fazer aos outros. Nada te custa ser útil nos momentos oportunos.

Ajuda pelos meios possíveis, para que os outros entendam o valor da caridade. Ela é uma fonte de luz, donde provém todos os alimentos que nos sustentam a vida.

Quem perdoa as ofensas, dorme sem tormento de consciência e acorda sem depressão.

Se porventura encontrares dificuldades nas linhas da gratidão, usa a prece, que ela abrirá a tua mente para o conhecimento da verdade.

(De “Gotas do Bem”, de João Nunes Maia, pelo Espírito Carlos).

domingo, outubro 26, 2008

CAPACIDADE DE AMAR...

CAPACIDADE DE AMAR

Até que ponto vai a nossa capacidade de amar?

Na História da Humanidade temos registos de pessoas de excepcionais qualidades que amaram, sem restrições.

Tais foram Gandhi, o Apóstolo da não-violência; Madre Teresa de Calcutá, a Missionária da Caridade; Irmã Dulce, chamada Irmã dos Pobres.

Também existem registos de criaturas com uma frágil capacidade de amar, que impõem condições onde a beleza física, a inteligência, a graça são requisitos imprescindíveis.

Assim, para a adopção, as crianças excepcionais ou que apresentem qualquer dependência, que não sejam dotadas de encantos físicos permanecem nos orfanatos, olhos ansiosos à espera de alguém que se lhes achegue e lhes dê um verdadeiro lar.

Muitas delas alcançam a maioridade em tais locais, sem jamais terem conhecido carinho familiar, aconchego doméstico.

Madre Teresa de Calcutá tinha sempre histórias interessantes a este respeito. O seu exemplo cativava as criaturas que, à semelhança dela, se devotavam a seres considerados excluídos da sociedade, com especial cuidado.

Narrou ela que, certa vez, uma família de posse, pertencente à alta classe indiana, tendo visitado as obras das Missionárias da Caridade, interessou-se em levar uma criança abandonada, que vivia no lar.

Passados alguns meses, Madre Teresa soube que a criança ficara muito doente e inválida, apesar do carinho e atenção dos pais adoptivos, que lhe ofereceram o melhor para a sua cura. Procurou a família e pediu que lhe devolvessem a criança, sob condição de lhes dar uma outra, sadia.

O pai olhou para a servidora, sentindo que ela queria poupá-los do sofrimento e afirmou:

Madre, tire-me primeiro a vida, depois leve minha filhinha.

Ele tinha aprendido a amar a menina de todo o coração.

E assim é o verdadeiro amor. O amor trabalha sempre, construindo o mundo melhor.

O sábio que não ama torna-se um monstro, aplicando indevidamente os conhecimentos de que se enriquece.

A inteligência, sem o amor, é uma arma perigosa nas mãos do desequilíbrio das paixões inferiores.

Graças ao amor a jornada humana torna-se menos áspera, mais ditosa, convidando o caminhante a prosseguir, sem desânimo, nem desistência, sem parar, até ao momento final da vitória.

E o amor de Deus, que a tudo dá vida, é o convite para que o nosso amor nos vitalize uns aos outros, nesta aventura maravilhosa que é a do progresso, rumo às estrelas.

Madre Teresa de Calcutá foi capa da revista Time, que reserva as suas capas a personagens célebres.

Madre Teresa destacou-se como desses mensageiros de amor e de esperança que, de tempos a tempos, enriquecem o planeta.

Os ideais de trabalho das Missionárias da Caridade estipulam que devem levar às crianças das favelas a imagem de Cristo como amigo dos pequenos.

Elas ensinam também que é preciso amar os pobres com o amor do Cristo, ajudá-los com sua própria ajuda e doar-se, como Ele o fez.

Redacção do Momento Espírita.

ONDE ESTIVERES...

ONDE ESTIVERES

Onde estiveres, não percas a oportunidade de semear o bem...

Se a conversa gira em torno de uma pessoa, destaca-lhe as virtudes, recordando que todos ainda nos encontramos muito longe da perfeição.

Se o assunto descamba para comentários maliciosos, acerca de certos acontecimentos, procura, discretamente, imprimir um novo rumo ao diálogo, sem te julgares superior a quem quer que seja.

Onde estiveres, não permitas que o mal conte com o teu apoio para se propagar...

Se muitos falam em tom de pessimismo sobre os problemas que afligem a Humanidade, demonstra a tua confiança no futuro, recordando aos interlocutores que nada acontece sem a permissão de Deus.

Se outros se transformam em profetas da descrença, como se fossem eles mesmo os únicos a salvarem-se do naufrágio dos valores morais em que o homem se debate neste ocaso de milénio, trabalha com todas as tuas forças na construção de um mundo melhor, porquanto um só exemplo tem mais poder de persuasão sobre as almas do que um milhão de palavras.

Onde estiveres, não te esqueças de que o bem necessita de ti como instrumento para se manifestar e não cruzes os braços, como se nada tivesses a ver com o que acontece ao teu redor.

ANDRÉ LUIZ

(Do livro "CONFIA E SERVE", Francisco Cândido Xavier, Carlos A. Baccelli)

segunda-feira, outubro 20, 2008

COMPANHEIROS E CAMINHOS

Companheiros e Caminhos

Quando te dispuseres a reclamar contra certos traços psicológicos daqueles que o Senhor te confiou no ministério familiar, medita nas diversidades das criações que compõem a Natureza.

Cada estrela destaca-se por determinada expressão.

Cada planta mostra finalidade particular.

A rosa e a violeta são diferentes, conquanto ambas sejam flores.

Os caminhos do mundo guardam linhas diversas entre si.

Também nós, as criaturas de Deus somos seres que se identificam pela semelhança, mas não somos rigorosamente iguais.

Conforme os princípios de causa e efeito, que nos traçam a lei da reencarnação, cada um de nós traz consigo a soma de tudo o que já fez de si, com a obrigação de subtrair os males que tenhamos coleccionado até à completa extinção, multiplicando os bens que já possuímos, para os dividir com os outros, na construção da felicidade geral.

Não queira transformar os entes queridos, nem ninguém, sob o martelo da força.

Ninguém precisa apagar a luz do vizinho, para iluminar a própria casa.

Livro: Companheiro
Emmanuel / Francisco Cândido Xavier

quarta-feira, outubro 15, 2008

ACÇÃO DE PAZ!

A paz é um dos tesouros mais desejados nos dias actuais. Muito se tem investido para se conseguir um pouco desse bem tão precioso.

Mas será que nós, individualmente, temos feito investimentos efectivos visando tal conquista?
O que geralmente ocorre é que temos investido nossos esforços na direcção contrária, e de maneira imprópria.

É muito comum desejar a paz e buscá-la por caminhos tortos, que acabam por nos distanciar ainda mais dela.

O Espírito Emmanuel, através da mediunidade de Chico Xavier, escreveu, certa feita, uma mensagem que intitulou acção de paz.

Eis o seu conteúdo:

“Aflição condensada é semelhante à bomba de estopim curto, pronta a explodir a qualquer contacto esfogueante.

É indispensável saber preservar a tranquilidade própria, de modo a sermos úteis na extinção desta ou daquela dificuldade.

Decerto que para cooperar no estabelecimento da paz, não nos seria lícito interpretar a calma por inércia.

Paciência é a compreensão que age sem barulho, no apoio da segurança geral.

Reflectindo com acerto, recebe a hora de crise sem qualquer ideia de violência, porque a violência induz sempre ao estrangulamento da oportunidade de auxiliar.

Diante de qualquer informação desastrosa, busca revestir-te com a serenidade possível para que não te transformes num problema, pesando no problema que a vida te pede para resolveres.

Não afogues o pensamento nas nuvens do pessimismo, mentalizando ocorrências infelizes que, provavelmente, jamais aparecerão.

Evita julgar pessoas e situações em sentido negativo para que o arrependimento não te corroa as forças do espírito.

Se te encontras diante de um caso de agressão, não respondas com outra agressão, a fim de que a intemperança mental não te precipite na vala da delinquência.

Pacifica a própria sensibilidade, para que a razão te oriente os impulsos.

Se conservas o hábito de orar, recorre à prece nos instantes difíceis, mas se não possuis essa bênção, medita suficientemente antes de falar ou de agir.

Os impactos emocionais, em qualquer parte, surgem na estrada de todos; guarda, por isso, a fé em Deus e em ti mesmo, de maneira a que não te afastes da paz interior, a fim de que nas horas sombrias da existência possa a tua paz converter-se em abençoada luz.”

Espírito Emmanuel, do livro “Urgência”, psicografia de Francisco Cândido Xavier.

***
As palavras lúcidas de Emmanuel sugerem-nos profundas reflexões perante a nossa acção diária.
É importante que, na busca pela paz, não venhamos a ser causadores de desordem e violência.

Criando um ambiente de paz na própria intimidade, poderemos colaborar numa acção efectiva para que a paz reine no nosso lar, primeiramente, e, depois, se possa estender pelo mundo fora.

Se uma pessoa estiver permanentemente em acção de paz, o mundo à sua volta beneficiar-se-á com essa atitude.

Se a paz mundial ainda não é realidade no nosso planeta, façamo-la no nosso mundo íntimo. Essa atitude só depende de uma única decisão: a nossa.

A sua paz interior é capaz de neutralizar o ódio de muitas criaturas.

Se mantiver acesa a chama da paz na sua intimidade, então podemos acreditar que a paz mundial está bem próxima.

Porque, na verdade, a paz do mundo começa no íntimo de cada um de nós.

terça-feira, outubro 14, 2008

PÁGINA PARA A JUVENTUDE

O esforço precede a realização.

O conhecimento é o primeiro degrau da sabedoria.

A aplicação assegura a competência.

O trabalho ensina a servir.

O estudo consolida a experiência.

O cavalheirismo é a sementeira da caridade.

A gentileza é o princípio da renúncia.

A confiança no bem adquire a fé viva.

O optimismo garante o êxito.

O auxílio aos outros gera a paz.

A cordialidade é o início da fraternidade.

A disciplina produz a humildade.

Os preceitos humanos respeitáveis constituem a exteriorização das leis divinas.

A aquisição das mais elevadas qualidades terrenas é o legítimo acesso aos dons celestiais.

– Jovens irmãos, para vós, surgem os horizontes do recomeço.

A luta pelo bem é a nossa oportunidade sublime.

O obstáculo é a prova benéfica de superação das nossas próprias fraquezas.

Trabalhemos servindo.

De Evangelho nos braços.

E com o Mestre Divino em pleno coração.

A terra é o meio,

Jesus é o fim.

Do livro: “Cartas do Coração” – Psicografia de Francisco Cândido Xavier.

domingo, outubro 12, 2008

FRATERNIDADE

FRATERNIDADE

Mãos que se alongam para auxiliar outras mãos que fraquejam.

Sentimentos que se engrandecem para apoiar emoções que necessitam de amparo.

Esforços que se conjugam a fim de amenizar amarguras.

Vibrações de amor que vencem distâncias, objectivando mudar paisagens tristes das mentes e dos corações.

Espíritos valorosos que se dirigem às furnas da aflição, encorajados pelo desejo de amar os que desfaleceram nas lutas.

Preces que se evolam da pira do puro amor, buscando os ouvidos divinos em favor dos que choram, eis a acção da fraternidade vestindo de esperanças os painéis torpes do mundo ou emoldurando de belezas as construções edificantes dos ideais libertadores da Humanidade.

Fraternidade, vibração do Cristo unindo os homens como verdadeiros irmãos, louvada sejas!

(De: “Heranças de Amor”, de Divaldo P. Franco, pelo Espírito Eros).

segunda-feira, setembro 29, 2008

CORPOS EMOCIONAIS...

CORPOS EMOCIONAIS

Vosso corpo emocional também costuma adoecer e, mais do que o físico, sabe doer. A dor no plano astral é incomensurável mais intensa do que qualquer uma que vossa matéria mais grosseira possa sentir e é mais difícil de se diagnosticar e tratar.

Irmãos, os melhores remédios para vosso corpo astralino estão justamente no mesmo plano habitado por ele. O Perdão e o Amor são, na verdade, os maiores antídotos contra a dor do remorso, da solidão, da inveja, do ciúme, do ódio e do egoísmo. Sim, todos estes sentimentos doem e tem uma causa. O perdão, o que primeiro deve ser usado, acalma a dor, tranquiliza a alma, refresca os sentimentos aquecidos e cria oportunidade e terreno para que o Amor possa agir, fazendo a sua parte que é exactamente extirpar a causa mais profunda do mal.

Usai a lei do perdão em vós mesmos, para que não vos continueis a culpar pelo passado ou pelas vossas imperfeições presentes. A culpa e a revolta contra o vosso Eu externo, nesta encarnação, não vos levará a mudá-la para melhor, pelo contrário.

Ela é apenas uma fantasia que usais no teatro da vida, para encenardes mais um acto de vossa existência cósmica.

Perdoai o que quer que tenhais feito, não fiqueis a remoer o passado, pois isso só dará mais força à negatividade que um dia expressastes.

Olhai em frente com optimismo e dai Amor, abundantemente, ao vosso eu externo para que ele se molde ao vosso Eu interno, à imagem e semelhança de nosso Pai-Mãe Maior.

E, perdoando-vos a vós próprios, vereis que será muito mais fácil perdoar e amar os outros.

Usai a Lei do Perdão da Chama Violeta e, depois, preenchei o vosso mundo e tudo que vos rodear com a Divina Chama Rosa do Amor.

Eu Sou Vosso amigo,

Saint Germain.

NOSSA VIDA MENTAL

NOSSA VIDA MENTAL

As almas ingressam nas responsabilidades que procuram para si mesmas.

Segundo talhamos o nosso perfil moral, angariamos os favores das oportunidades de serviço diante das Leis Universais.

Ninguém foge aos estigmas da viciação com que sulca a estrutura da própria vida.

Paz significa vitória da mente sobre os seus próprios atributos.

Resguardemos, assim, a vida mental, na certeza de que o teor da nossa meditação condiciona a altura da nossa tranquilidade.

Nada ocorre connosco sem resultado específico.

Teimosia no erro – conta agravada.

Ausência de disciplina – débito permanente.

Remorso – aviso da consciência.

Multiformes ocorrências no mundo interior anunciam constantemente o clima de nossa escolha.
A tempestade é precedida dos indícios inequívocos que lhe configuram a extensão.


De igual modo, através da análise real de nós mesmos, encontramos o exacto esboço das futuras experiências. Em vista disso, ante a luz do Evangelho, ninguém desconhece a essência do destino que se lhe desdobra ao porvir.

A justiça da Lei tem base na matemática. E quem possui parcelas determinadas pode ajuizar perfeitamente quanto à soma daquilo ou disso.

Entrega-te, pois, a novos haustos de esperança e supera as próprias limitações, atendendo aos apelos do amor que ecoam da Altura.

Reúne humildade e serviço, simplicidade e perdão, estudo e caridade, bondade e tolerância, no esforço de cada dia, e com, semelhantes, fragmentos de amor e luz levantarás o templo divino de tuas mais belas aspirações, diante da Eternidade.

ANDRÉ LUIZ / CHICO XAVIER

quinta-feira, agosto 14, 2008

O MELHOR

O MELHOR

Quando menos esperas, és visitado por factores atordoantes, que te deixam sem saber que atitude tomar.

Sem aviso prévio, deparas com situações aflitivas que te inquietam, oferecendo-te frustração, face às condições de que se revestem.

De maneira agressiva, chega-te a dor do próximo, pedindo-te arrimo, e, colhido pela rude solicitação, vês-te em clima de dificuldade para equacionar o problema.

O aturdimento das pessoas alcança-te, violento, apresentando solicitações gritantes, agredindo-te, e constatas as dificuldades socorristas mediante as quais poderias auxiliar com acerto.

A vasta cópia dos atormentados espera apoio nas suas alucinações e busca-te, inquietando-te, por te deparares, sem os meios ideais para o ministério do socorro.

Em tais como em outras circunstâncias equivalentes indagas: Como agir? Como fazer o melhor?

Subitamente identificas cansaço n’alma, amargura, inquietação.

Levanta, porém, o ânimo e revitaliza o moral.

A consciência que desperta para o bem, mais sofre o espicaçar das aflições e incertezas, quando, diante de actos cruéis, surpreendentes, ou de situações muito complexas, ao considerar o que poderia fazer e como accionou a máquina da atitude correcta.

É natural, portanto, que o teu repouso seja menos fácil e a tua quietude, por momentos, improvável.

Os que se sentem muito tranquilos, na Terra, quiçá estejam intoxicados pelos vapores da indiferença.

Convidado, intempestivamente, a ajudar, a tomar uma atitude em relação a alguém, a assumir uma posição, não te deixes impregnar pelos fluidos e vibrações de quem te busca. Recolhe-te à oração silenciosa, e indaga ao coração o que gostarias de receber, caso fosses o necessitado.

Certamente, terás a resposta de como seria o procedimento ideal.

Todavia, se não for possível realizar a acção ideal, não cruzes os braços, lamentando impossibilidades.

Faz de maneira mais correcta ao teu alcance, envolvendo em simpatia aquele que se socorre de ti, permanecendo de consciência harmonizada.

Enfrentarás sempre ocorrências difíceis, com as quais, desde logo, deves acostumar-te.

Olhando a imensurável quantidade de aflitos e a precariedade dos teus recursos, não te sintas incapaz de auxiliar, descoroçoando-te.

Uma semente, resguardada no bojo da terra, pode ser a responsável futura por toda uma área verdejante e rica de dádivas.

Importante é o que faças e como faças, pertencendo os resultados à Vida.

A multidão que Lhe ouvira a palavra de liberdade e paz, não obstante já alimentada em espírito, padecia de fome orgânica. Solicitado ao auxílio, Jesus excogitou de tomar os cinco pães e os dois peixes que os discípulos possuíam, com os quais repletou os estômagos necessitados, sem perder o entusiasmo ou modificar a atitude de amor com que antes amparara a grave necessidade espiritual de que todos padeciam.

Considera, desse modo, a sabedoria do Senhor e, sem desencorajamento, faz a parte que te cabe, com a certeza de estares a realizar o melhor.

(De: “Alerta”. Divaldo Pereira Franco, ditado pelo espírito Joanna de Ângelis)

domingo, agosto 10, 2008

NO DIA DOS PAIS...

No Brasil o "dia do Pai" não acontece no dia 19 de Março, como em Portugal.

***
"NO DIA DOS PAIS, UMA REFLEXÃO SOBRE A SIMPLICIDADE

Por: Christina Nunes

Noutro dia vi na tv o que considero talvez um dos mais belos anúncios levados para o ar por ocasião da proximidade do Dia dos Pais.

Nem me recordo qual o produto anunciado, mas a cena é belíssima. Um menininho pequeno - mas bem pequenininho mesmo! - Ouve o ruído da chegada tardia de seu pai em casa, de seu quarto, onde, metido no seu pijaminha, já dormia.

Tonto de sono, ao som de música clássica belíssima, levanta esfregando os olhinhos, calça seus chinelinhos de pato.

Sai do quarto e, nos seus passinhos bêbados, chega à sala, onde o pai acaba de fechar atrás de si a porta, retornando do trabalho, e admirando-se de ver ali, àquelas horas, o pequeno, certamente indagando da razão daquilo.

O menininho vai até junto dele. Estende os dois bracinhos e o pai, intrigado, se inclina. E se emociona.

O menininho dá-lhe um abraço e um beijo de boa noite e, bocejando, volta para o seu quarto e para o aconchego da sua caminha. Simplicidade!

Não é de hoje que me pergunto. Onde foi parar a impagável simplicidade - em tudo?

Todavia, principalmente nestas datas, nestas ocasiões nas quais se convencionou que se comemorar devidamente o Dia dos Pais, Dia das Mães, Páscoa, Natal, e outros... só se reveste de significado digno diante de uma pujança compulsiva de gastos, de alarde, de barulho, durante os quais o que se observa, sobretudo, são pessoas stressadas, apáticas, quando muito condicionadas ao ritual imposto pelas exigências ardilosas outorgadas pelas tácticas hábeis do capitalismo com o decorrer das décadas, em substituição da jóia autêntica - e esta sim, o alimento do espírito!

Do calor humano, do afecto, da amorosidade que, a meu ver, é tudo, é a viga mestra não dos "Dia disso" ou "Dia daquilo"... mas do que de facto é o cerne de todas estas ocasiões: o amor e a fraternidade entre os seres humanos, entre os entes queridos!?

Lembro-me de que na minha infância, nessas datas, eu tinha por hábito fazer cartões. Gostando desde cedo de desenhar e escrever, tomava uma folhinha A4, dobrava, e me deleitava: desenhava ali cenas familiares que só nós mesmos, da família, entendíamos e das quais apreciávamos o significado; pintava o desenho, escrevia frases carinhosas dirigidas aos meus pais.

Um ou outro certamente comprava uma lembrança que o cartãozinho de próprio punho acompanharia; mas o certo é que lhes entregava fielmente aquele cartãozinho triunfante, porque lia nos seus olhos: certamente era o que eles mais valorizavam e apreciavam, em conjunto com o meu amor, beijo e abraço carinhosos de filha... que, aliás, distribuía aos montes durante o ano, porque nunca entendi que amor e homenagem aos pais eram restritos a uma data estipulada arbitrariamente, assim como também eles me ofereciam um digno "Dia das Crianças" todos os dias, infalivelmente!

Mas hoje, não. Observo que as escolas, na sua totalidade, alegando as exigências didático-pedagógicas dos dias de hoje, esmeram-se em celebrações retumbantes. Anunciam-nas já no princípio do ano lectivo, a todos convocando. Festas com missas, apresentações teatrais e danças das várias classes em homenagem a pais ou mães; gincanas, guloseimas, sorteios, bingos... e, unanimemente, sempre sob os pretextos do mundo globalizado e sua exigência draconiana de interacção frenética entre as pessoas, fizeram crer aos estudantes de todas as idades, com o passar das décadas e das mudanças, que isto é importante, é vital, é indispensável...

Queiram-me desculpar se vou aqui contra a maré... Mas resta-me a sensação de que o pai, a mãe, diante de todo este aparato, "se diluem"!... O ser humano, como sempre, perde em importância perante a mente e o coração da criança ou adolescente para a necessidade imperiosa de se embriagar dançando, representando, comendo, festejando com brilhos e música ruidosa... um simples e belo Dia dos Pais, que talvez, e principalmente, pedisse antes intimidade familiar, carinho, química amorosa; e na privacidade do lar, alegria entre filhos e seus pais!

Mas, e o Pai?!... O pai está ali, no meio daquele tumulto de centenas de parentes, de outros pais, professores, equipes pedagógicas, directores, fotógrafos... a mais das vezes emocionados, é um facto! Mas que se note, e deixemos de hipocrisia: ainda e sempre, emocionados com seu (s) filho (s), única e exclusivamente!

Aqueles filhos que ali estão adiante, menores ou maiores, a dançar, a representar, a cantar com os olhares ora perdidos ora assustados, ora indiferentes, em muitas das vezes - observo e já não é de hoje! - Com expressão ausente, olhando em torno... fazendo bem o "trabalho de casa". Então acaba a dança e o barulho, após a espera de muitas outras turmas anteriores à do seu filho que também ensaiaram e fizeram o mesmo. Entrega-se a lembrancinha feita pela própria criança - talvez que o de maior valor no meio de tanto barulho e movimento! - Que o pai ou a mãe recebem de suas mãos ainda emocionados, sorridentes.

E a criança, já distraída, pergunta o que farão em seguida; irão para casa?! A uma pizzaria?! Ao cinema à tarde?! Não sei... tenho uma rejeição irrefreável, natural por esta compulsão quase neurótica de se ter que fazer algo a respeito de coisas que pediriam, única e simplesmente, o que de maior valor se reveste: amor e afecto, na intimidade de um lar. Fico-me a recordar, insistentemente, do tal "tesouro que a traça não corrói e o tempo não desgasta" - lição de tanta simplicidade, milenar, a respeito do alimento verdadeiro, gerador da autêntica felicidade... alimento do espírito!

E, inevitavelmente, considero tudo isso uma idiotice!.. Mas é importante para as crianças, fizeram com que acreditassem nisso... e todo ano lá vamos nós de novo!

Ah! E os - muitos! - Que não têm pais ou mães numa data dessas?! Os pais e mães falecidos, ou desertores do lar, e tantas outras situações que naturalmente excluem muitos estudantes destas festanças artificiais de sentimentos, de real sentido?!

Ah! - alguém há-de dizer - Esses não são maioria! Não podemos sacrificar o resto por causa desses!... Argumentará, com a voz inconsciente do egoísmo. Será que não são maioria?!

Nos tempos em que vivemos nos quais, por esta linha mesma de mentalidade, os seres humanos tornaram-se descartáveis?!... E aí prevalece, ainda e sempre, a legenda da exclusão egoística, do preconceito... a mesma que até aos dias de hoje, em pleno século XXI, considera inviável a inclusão de "minorias" como as crianças especiais, as órfãs, as menos favorecidas economicamente...

Não vamos parar de festejar em grande estilo... porque afinal, estes são minoria!...

Sabem... às vezes vem-me ao pensamento: como é que Jesus homenagearia seus pais?...

Fica a reflexão..."

domingo, julho 06, 2008

Reacções da Mãe-Terra!...

Comentando o que diz o nosso irmão Rui, acrescento o seguinte:

Há dias, um Digníssimo Mestre Ascenso, em mensagem por si ditada, dirigida aos terrícolas da superfície deste Mundo Terra (sim, porque há os intra-terrenos e os intra-oceânicos), disse que seria bom que se começasse a pensar na Unificação do Todo Planetário, ou seja, ser a Terra uma única NAÇÃO, UMA ÚNICA FAMÍLIA POLÍTICO-SOCIAL, composta por Estados Federados, tendo, logicamente, um único Presidente e que, esse Presidente, deveria ser o Presidente dos Estados Unidos da América, não por ser o BUSH (nem pouco mais ou menos), mas sim pela simples razão de ser este País, o único que possui, na actualidade, alguma capacidade para dirigir o Planeta. Não se esqueça que a Constituição dos USA, quando foi redigida, teve a ajuda (Mão) de DEUS. OBAMA, candidato democrata, não é candidato por 'sorte' ou por 'acaso'... mas isso são outras águas... que não cabe aqui curar de saber.

Claro que, diz ainda, tudo deveria ser devida e sabiamente articulado em prol do Todo, sendo que, o escopo final desta intenção, seria alcançar-se, de uma vez por todas, a Justiça e a Paz na Terra, bens divinos que, o Homem, por sua ignorância, ganância e teimosia, ainda não sabe Ser para Ter.

Já em "Conversas com DEUS", Livro 1, de Neale Donald Walsch, o interlocutor de Neale diz, de Seu Trono e Vontade, sobre como devíamos (COM)PARTILHAR as riquezas terrenas em prol de todos... 'atrevendo-se' a elucidar como deveriam ser as políticas Humanas, nesta Sua Morada!
Alguém O leu? Alguém O ouviu? Alguém O cumpre? Ou lê-se e não se sabe interpretar!?

Ou seremos comodistas inveterados, pseudo sábios da treta, que nada fazem, nem conseguem fazer, por si mesmos?

Onde está a REVOLUÇÃO de consciências, que tais Obras deveriam ter já despoletado, ordeiramente?

Segundo informações... as Obras do Neale... já foram editadas em vários idiomas e em milhões de exemplares...

Onde estão, então, os resultados efectivos dessas tiragens, aos milhões? Afinal... será tudo um mero... romance?

A vida será, apenas, um romance?

A tua dor e a tua felicidade serão romance, ou fruto de um qualquer romance?

Não!... O terráqueo da superfície, sendo um repetente inquilino destruidor desta Casa Cósmica, que lhe tem sido emprestada, de quando em vez, para que possa evoluir, arma-se em seu dono e tudo destrói.

- "Mas a Lei de Deus prossegue no mesmo passo, acima das tempestades humanas e, nos grandes momentos, salva sozinha o equilíbrio"! - JESUS, in "A Grande Síntese" de Pietro Ubaldi.
Pode o Homem controlar ou dirigir a Mãe Natureza? Não!... O homem não pode dirigir e/ou controlar o que não é de sua criação, nem, tão pouco, o que lhe está acima. Limita-se a sofrer e a viver os efeitos, desconhecendo, ignorando, a maioria das vezes, as verdadeiras Causas, que são fonte, desses efeitos que sofre.

A Terra está, bem sabemos, neste momento, a reagir - harmonizando-se - na sua própria defesa, fazendo com que os seus destruidores daqui saiam!

Porquê?

Porque a TERRA é um Planeta (uma morada) de DEUS, não dos homens e, se é DEUS, DEUS saberá, no fim de cada ciclo, quem a merece, ou não.

Para a Quinta (5ª) Dimensão, só irão os que, por mérito pessoal, a ela possam ascender.
Afivele, então, cada um a sua máscara, nunca esquecendo que a DEUS, jamais, se poderá enganar.

***
Se achardes que deveis reenviar... todos vos agradecerão, por serdes trabalhadores da Verdade.
***
PAZ e LUZ! Na Grande Fraternidade Branca Universal, sou,

Álvaro de Jesus
- Guerreiro da Luz
- Reiki.Master
- Sacerdote Melchizedek
- Mentor e Presidente da Associação: Nova Igreja do Caminho-Projecto Planetário do Senhor Jesus
***
NOVA IGREJA DO CAMINHO:

domingo, maio 11, 2008

CARMA E DESTINO...

Sábado, 10 de Maio de 2008
Carma e destino

Muitas pessoas acham que Carma são os sofrimentos, pelos quais passamos, que devemos aguentar, por os merecermos.

Não é tão simples e definitivo assim.

Não podemos aceitar que sofremos porque merecemos e, ponto final.

Empregamos a palavra Carma, normalmente sem entender profundamente o seu significado.

Carma é o destino, como consequência do que nós mesmos criamos ao longo das nossas vidas anteriores.

Tudo o que fazemos nesta vida ou nas seguintes provoca uma reacção, com as suas consequências, evidentemente. Este é o sentido de Carma.

As nossas próximas vidas também serão resultado de nossas escolhas de hoje.

Reencarnamos enquanto as consequências de nossas acções não estiverem completamente liquidadas.

Temos obrigação de eliminar essas consequências negativas e de as tornar positivas, por meio de atitudes melhor pensadas, liquidando os mal entendidos; cuidando melhor da saúde; sendo mais previdente com as finanças; assumindo nossas responsabilidades; etc.

Carma pode e deve ser eliminado, transformando-se em Darma, que é o Carma que está a ser trabalhado ou eliminado.

Todas as pessoas podem modificar e transmutar seu Carma pessoal, do país e do planeta. Algumas maneiras são: aprender a auto conhecer-se; a energizar-se correctamente; voltar a vidas anteriores, procurando saber o que houve e corrigir essas falhas...

Desta maneira, um dia libertar-nos-emos da roda das encarnações e seremos, então, livres, podendo viajar na Luz em Paz e Harmonia com o Cosmo, como seres libertos e conscientes de sua grandiosidade.

Permaneçam em Paz Profunda,

She

terça-feira, fevereiro 19, 2008

SERVIR...

Servir

Servir é viver com o sorriso
De candeia humilde e tremeluzente,
Rasgando caminhos nas trevas,
Lançando reflexos de luz
Na vida de tanta gente…

Servir é trilhar generosidade,
Num desgaste incessante pelos outros,
Qual nuvem que se desfaz
Para dar fecundidade,
Qual círio bento sobre o altar,
Imolando-se lentamente
Para iluminar…

Servir é lutar mansamente
Com as armas do sacrifício e doação
Arranhando a alma nas arestas da vertente,
Sangrando tantas vezes o coração…

De. Mário Salgueirinho

domingo, fevereiro 10, 2008

O ADVOGADO DA CRUZ

No mundo antigo, o apelo à Justiça significava a punição com a morte. As dívidas pequeninas representavam cativeiro absoluto. Os vencidos eram atirados nos vales imundos. Arrastavam-se os delinquentes nos cárceres sem esperanças. As dávidas agradáveis aos deuses partiam das mãos ricas e poderosas. Os tiranos cobriam-se de flores, enquanto os miseráveis trajavam de espinhos.

Mas, um dia, chegou ao mundo o Sublime Advogado dos oprimidos. Não havia, na Terra, lugar para Ele. Resignou-se a alcançar a porta dos homens, através de uma estrebaria singela.

Em breve, porém, restaurava o templo da fé viva, na igreja universal dos corações amantes do bem. Deu vista aos cegos. Curou leprosos e paralíticos. Dignificou o trabalho edificante, exaltou o esforço dos humildes, quebrou as algemas da ignorância, instituiu a fraternidade e o perdão.

Processaram-no, todavia, os homens perversos, à conta de herético, feiticeiro e ladrão.

Depois do insulto, da ironia, da pedrada, conduziram-no ao madeiro destinado aos criminosos comuns.

Ele, que ensinara a Justiça, não se justificou; que salvara muitos, não se salvou da crucificação; que sabia a verdade, calou-se para não ferir os próprios verdugos.

Desde esse dia, contudo, o Sublime Advogado transformou-se no Advogado da Cruz e, desde o supremo sacrifício, a sua voz tornou-se mais alta para os corações humanos. Ele que falava na Palestina, começou a ser ouvido no mundo inteiro; que apenas conversava com o povo de Israel, passou a entender-se com as várias nações do Globo; que somente se dirigia aos homens de pequeno país, passou a orientar os missionários rectos de todos os serviços edificantes da Humanidade.

Que importam, pois, nos domínios da Fé, as perseguições da maldade e os ataques da ignorância? O Advogado da Cruz continua a operar em silêncio e falará, em todos os acontecimentos da Terra, aos que possuam "ouvidos de ouvir".

Da Obra: "Antologia Mediúnica do Natal"
Emmanuel / Francisco Cândido Xavier

PARA PENSAR...

Se retirar a sombra da tristeza que lhe cobre o olhar, observará que o sol e o tempo renasceram hoje, a fim de que possa refazer-se e recomeçar.

Não se sabe de ninguém que houvesse conseguido a restauração ou o êxito em clima de desabafo.

Sorrir, atraindo dedicações e possibilidades, ou, mostrar a face agoniada da irritação, suscitando adversários ou problemas, dependerá sempre de si mesmo.

Ódio e medo, inveja ou ciúme, desespero ou ressentimento desajustam a mente, e, a mente desequilibrada, envenena o corpo.

Procure ver o melhor dos outros, dê aos outros o melhor de si mesmo, porque o pessimismo jamais edifica.

Você receberá auxílio e assistência na medida exacta das suas prestações de serviço ao próximo, recebendo ainda, por acréscimo, valiosas bonificações da Providência Divina.

Recordemos que, situar-nos nas dificuldades dos outros, de modo a senti-las como se fossem nossas, para os auxiliar, sem exigência ou compensação, é a maneira mais justa de garantir a paz.
------------------------------
Autor Espiritual: André Luiz
Psicografia de Chico Xavier

terça-feira, janeiro 08, 2008

FICA CONNOSCO SENHOR!!!

Senhor Jesus,
Sobre a Terra de agora, ansiosa e agitada,
Que a Ciência domina,
Muitas ideias novas pela estrada,
Sonegam-te, no mundo a Presença Divina...
O homem super-culto,
Nas invenções geniais e nos feitos de vulto,
Experimenta, experimenta...
Entretanto, Senhor, por mais que se lhe permite
Revelações dos céus, sem pausa e sem limite,
Ei-lo na indagação
Em que não se contenta...
Projectando satélites no Espaço
E entesourando láureas da cultura
Nem por isso largou-se
Do tédio, do azedume, do cansaço
De alma triste e insegura...
Toda a Terra é um arsenal de máquinas potentes...
Sondas, computadores...
Investiga-se os mundos exteriores,
Conclama-se ao progresso
Todos os continentes...
Mas a guerra campeia,
O cérebro sem fé como que se incendeia
E a violência se espalha mundo afora...
É por isso, Jesus, que te pedimos:
Fica connosco, nos nossos vales,
Enquanto tantos génios
Pairam em altos cimos,
Brilhando sem saber onde os bens e onde os males!...
Conserva-nos a fé por luz acesa
E ajuda-nos a ver na terrestre grandeza
Com a bênção de amor em que nos guardas
As longas retaguardas
Dos irmãos despojados de esperança,
A fim de os socorrer em teu nome...
Atenua, Senhor, a mágoa dessas vidas
Que a tristeza consome
Na dor que não descansa.
Ergue de novo, os corações caídos
Em desesperação
A buscarem na cinza os ausentes queridos
Que a morte lhes furtou em processo violento,
Ajuda-nos a ver o sofrimento
Que o radar não percebe e o motor não consola...
Substitui, Jesus, pelo apoio da escola
A sombra do presídio que segrega
Os irmãos que a revolta ainda inspira e carrega
Para os despenhadeiros da existência...
Fica connosco,
Mestre, e faz-nos prover
De auxílio e reconforto
O sentimento amargo e semi-morto
Da multidão sem paz, a chorar e a sofrer...
Na fé que o teu amparo nos descerra
Deixa-nos atingir o coração da Terra!...
Faz que o Sol da Caridade
A irradiar-te as bênçãos de alegria,
Envolva, dia a dia,
O pão que nutre o Bem de Toda a Humanidade.
Não nos deixes a sós
E ensina-nos, Senhor,
A encontrar finalmente em cada um de nós
O caminho de luz do teu reino de amor!...
Maria Dolores

domingo, janeiro 06, 2008

AMA E ESPERA

Emudece o teu pranto. Cala o grito
De revolta na dor que te encarcera,
Por mais negra, mais rude, mais sincera,
A mágoa estranha de teu peito aflito.

Em toda a Terra há lágrimas e conflito,
Ruínas do mundo que se desespera...
Ama e sofre, trabalha e persevera
Na esperança de paz e de infinito.

Peregrino do campo atormentado,
Rompe os elos e as trevas do passado,
Fita a luz do porvir resplandecente.

Muito além do terrível sorvedouro,
Nas estradas liriais de acanto e louro,
O sol do amor refulge eternamente.

Cruz e Souza

Psicografia na reunião pública, dia 4/9/1946, no Centro Espírita de Lavras, cidade de Lavras, Minas Gerais.
(De “Através do tempo”, de Francisco Cândido Xavier – espíritos diversos)