quinta-feira, dezembro 29, 2005

SENHORAS E SENHORES:

Depois de ter enviado a minha última mensagem alusiva aos crucifixos, e, para finalizar este assunto, compreendi que devia ir um pouco mais longe, sem pretender ofender quem quer que seja, na defesa da Verdade d’Aquele que, até hoje, foi o Ser Humano mais Divino que nos foi enviado como (Divino) MESTRE, pelo Pai Criador.

Assim, dir-vos-ei:

O Senhor JESUS de Nazaré em nada se opõe a que sejam, tais crucifixos, retirados dessas Salas de Aula, pois que, em Verdade, Ele não se encontra mais na Cruz, a qual deve, porém, continuar a ser o Símbolo da Redenção do Homem, já que foi através dela que o Senhor JESUS nos apontou o caminho da redenção, ou seja, pela Humildade e Resignação!

Depois, por outro lado, outras religiões se apresentaram entretanto no terreno e, assim, por um dever Constitucional e, também, para que haja paridade e justiça terrena, todas devem ser objecto de igual tratamento.

Cumpre ao Homem, então, sem ofensa de seu livre-arbítrio, escolher a que mais lhe disser sobre esse Jesus de Nazaré, o Cristo, pois que, provado ficou ser Ele o Messias prometido.

Se nos ficou, após a Sua ressurreição espiritual, tal Cruz como prova do nosso crime e, ao mesmo tempo, como símbolo de nossa efectiva redenção, cabe ao Homem, em responsabilidade, nunca esquecer Aquele que, por ela, lhe trouxe meios de Ascensão e Vida Eterna, e, assim, em forma retributiva, seguir o Seu Conselho que, in fine, traduz a Lei de Deus outorgada a esta Humanidade, como Primeira Revelação, conhecida por Decálogo ou: “10 Mandamentos”.

O Senhor Jesus, por Sua divina Autoridade, por ser Ele mesmo a Segunda Revelação de Deus aos Homens, integrou esses 10 Mandamentos em dois, deixando-nos, em síntese, os seguintes Preceitos:

1º. - “Dever de Amar o Pai acima de todas as coisas, em Espírito e em Verdade”;
2º. - “Dever de Amar o Próximo como a nós mesmos.”

Nestes dois Preceitos, como dissemos, integrou Ele os 10 Mandamentos.


Com ou sem Cruz nas Salas de Aula, mais perto, portanto, dos jovens que dela ainda possam necessitar como luz orientadora de sua salvaçã0, importa aos adultos, no papel de seus naturais conselheiros ou orientadores, jamais esquecerem quem a sofreu por Amor a todos nós.

Se de tal nos esquecermos, que DEUS tenha Misericórdia de nós!

Se, tais adultos souberem reconhecer na Sua Mensagem pistas de conformação de Vida, vos garantimos que a Verdade, o Amor, a Justiça, a Compreensão e a Paz, habitarão entre nós, fazendo-nos felizes como, desde sempre, ambicionamos ser.

Essa nossa Felicidade não se granjeia nem passa, apenas, pelo Dever de respeito à Cruz. Vai muito mais adiante. Tem a ver com o Dever de AMOR incondicional ao nosso Próximo, qualquer que ele seja, dispensando-lho de Coração e Mente abertos.

Se nos cumpre AMAR esse próximo de forma incondicional, nada podemos fazer que, minimamente, o possa ofender.

Isto que afirmamos, vale para todos os nossos pensamentos, nossas acções e/ou atitudes, bem como tomadas de posição, repetimos: para TODAS!

2 comentários:

Dad disse...

Concordo inteiramente! Porquê esta polémica se o Seu espírito ressuscitou? Porquê lembra-lo morto quando sempre permaneceu vivo?
Não são as cruzes nem as imagens que fazem de alguém um amado de Deus, tendo Deus por seu amor.
Quem isto compreender não precisa de símbolos para nada nem sequer para alimentar polémicas arrogantes.

Que o Novo Ano lhe traga muita paz e felicidade.

Um beijinho,

Guerreiro da Luz disse...

Olá dad!

FELIZ 2006!

VERDADE, AMOR, PAZ e LUZ!

Um Beijo Fraterno deste,

Guerreiro da Luz