domingo, dezembro 25, 2005

ANTE A SEARA ESPÍRITA

Foto: Médium Divaldo P. Franco
Salvador-Bahía-Brasil

"O Espiritismo, partindo das próprias palavras do Cristo, como este partiu das de Moisés, é consequência directa da sua doutrina."
G. - Cap. I - Item 30


No campo espírita há lugar para todas as modalidades de labor que se possam imaginar, para quem deseja atingir a paz com felicidade plena.

A grande aspiração dos primeiros seguidores do Cristianismo nascente agora repete-se entre os adeptos do Espiritismo – O Cristianismo reinante.

O espírita mantém vida pública em inalterável actuação produtiva.

Não tem horas reservadas para o auxílio – ajuda sempre.

Não usa o tempo em contemplação paralisante – age sem cansaço.

Não transforma a oração em petição de auto-beneficiamento – faz da prece meio de comunicação com o Senhor.

Não confia, demorando-se em atitude morna e inoperante de espera inútil – utiliza os valores do tempo e conquista mérito.

Não relega aos Anjos Tutelares as tarefas que lhe competem – crê no auxílio do Céu mas trabalha nos deveres da Terra.

Não permuta com o Pai os valores do mundo em negociações ilícitas – reconhece-se como devedor permanente do Grande Criador e dá-lhe a vida inteira.

O espírita, repetimos, estuda e aprende.

Nos círculos de estudos realiza a cultura e, aprendendo, ilumina a mente.

Ama e engrandece-se pelo trabalho.

Na seara do bem desenvolve e santifica o sentimento.

Respeita no mundo o Grande Lar que o Genitor Divino erigiu.

Enobrece pela conduta recta o humilde lar que edifica para a felicidade da família.

Difunde a Suprema Misericórdia em exórdios candentes e apaixonados.

Realiza discursos de amor em actos de misericórdia para com os infelizes.

Acata as directrizes das Leis Cármicas com que a Vida o corrige e educa.


Usa o perdão como medicamento valioso para quantos o ferem na existência física.

Cumpre o dever da prece em conjunto, no Templo de edificações colectivas.

Ora em segredo no silêncio da mente quando realiza, sofre, ou é feliz.

Presta culto de sublimação à Sapiente Causa.

Descobre em todos os anciãos a figura do pai alquebrado, necessitando de braços que os amparem.

O Céu é o porto ansiosamente sonhado.

E a Terra é a escola de bênçãos preparatórias.

Sabe que a fé, a demorar-se em êxtase, é improdutiva, porque tem em Jesus o Mestre da acção incansável.

Dedica-te, assim, se buscas o campo espírita para a realização do auto-aprimoramento, porquanto a felicidade prometida pelo Amigo Inconfundível não é daquele que a assalta mas de quem sabe agir, permanecer e confiar nela.

De: "Espírito e Vida", de Divaldo P. Franco, pelo Espírito Joanna de Ângelis

2 comentários:

João Luis disse...

Conheci o Divaldo Franco em Lisboa, no Coliseu, onde dissertou sobre a doutrina. Fiquei entusiasmado com o que disse e no fim fui comprimentá-lo e ele disse: Quando for à Bahai, passe lá por casa e sente no lado direito.
Ainda hoje estou para saber o que ele quis dizer com aquilo...

João Luis disse...

Por acaso já fui à Bahia, entretanto, mas não deu para o visitar...